• Inglês
  • Espanhol
o que é BYOD

O que é BYOD: conheça a tendência que está revolucionando o mercado

Que a tecnologia já é uma ferramenta presente em diversos aspectos do cotidiano – seja na vida pessoal ou profissional -, isso você com certeza já sabe. No entanto, o que talvez você não saiba é o que é BYOD. Essa tendência de mobilidade corporativa vem mudando o mercado, conquistando gestores e agradando colaboradores. Continue lendo e saiba tudo sobre isso!

BYOD: o que é e como funciona

A sigla BYOD vem do inglês Bring Your Own Device (em uma tradução livre, Traga O Seu Próprio Dispositivo). Ou seja, isso nada mais é do que os colaboradores de uma empresa utilizarem seus próprios aparelhos móveis – smartphones, tablets e notebooks, por exemplo – nas atividades corporativas. Essa estratégia surgiu nos Estados Unidos e logo se espalhou pelo mundo devido a uma série de benefícios que oferece – que você confere logo mais nesse post -, como facilitar a implementação de mobile corporativa em uma empresa.

Mas ao contrário do que algumas pessoas podem pensar, o BYOD não está restrito somente ao espaço físico de uma corporação. Quando um colaborador trabalha no sistema de home office, utilizando seu próprio computador, por exemplo, isso também é uma forma de BYOD.

O que considerar na hora de implementar o BYOD

De forma geral, quando uma empresa decide adotar a metodologia de Bring Your Own Device, é preciso, primeiro, considerar uma série de fatores e, além disso, tomar alguns cuidados. O passo inicial é avaliar se há a infraestrutura necessária para esse tipo de atuação e se será realmente benéfico para a empresa como um todo. elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.

Aqui é vital levar em consideração aspectos como a utilização de armazenamento na nuvem (ou outra forma de disponibilizar dados para que os colaboradores acessem via seus aparelhos), a segurança das informações e até mesmo a qualidade da rede de internet (seja ela Wi-Fi ou móvel). Ou seja, sua empresa, antes de mais nada, deve se adaptar às especificidades e necessidades que uma dinâmica de BYOD apresenta.

Em seguida, é preciso definir quais serão as políticas de uso desses aparelhos, como, por exemplo, quem os utilizará, sob quais circunstâncias será esse uso, que aplicativos serão permitidas, quais dados podem ser acessados, entre outros processos cotidianos da mobilidade corporativa.

Com tudo isso alinhado e muito bem estabelecido dentro da sua empresa, é a hora de colocar em prática a política do Bring Your Own Device dentro da sua empresa. Mas, afinal, qual o benefício que o seu negócio tem com isso? Veja abaixo!

As vantagens do BYOD para a sua empresa

Agora que você já sabe o que é BYOD, veja também motivos que podem ajudar a sua empresa a considerar essa opção.

Adotado em grandes empresas de tecnologia, como a Intel, o BYOD logo se popularizou por uma característica marcante: a flexibilidade. Com essa política, os colaboradores têm mais liberdade e agilidade em suas atividades, pois contam com aparelhos móveis (celulares, tablets, notebook) e, assim, pode trabalhar em ambientes externos, em cafés ou mesmo em casa. Além disso, a  familiaridade com os dispositivos é outro ponto positivo – já que as pessoas estão acostumadas a utilizar seus próprios equipamentos.

Isso também reflete em outro fator ligado diretamente ao tipo de celular, tablet ou notebook utilizado no ambiente corporativo: a performance dos aparelhos. É muito comum que o modelo pessoal de um colaborador seja mais moderno, rápido e atualizado do que aquele que a empresa fornece. Portanto, o BYOD possibilita contar com dispositivos mais eficientes e, além disso, com um custo menor para a empresa. Aqui vale ressaltar, porém, que o recomendado é que os colaboradores sejam compensados de alguma forma por optar por utilizarem seus itens pessoais.

Ou seja, adotar uma política de “traga o seu próprio aparelho” pode, de forma, geral, refletir em muito mais produtividade por parte dos colaboradores e, além disso, economia para a corporação.

No entanto, alguns cuidados também precisam ser tomados para garantir que esses benefícios apareçam na prática e que, além disso, o uso de aparelhos pessoais não cause distrações, problemas no acesso a dados e na segurança das informações, entre outras situações. Uma forma de contar com esse cuidado é através do MDM (Mobile Device Management, ou gerenciamento de dispositivos móveis).

Unindo BYOD com MDM

Como saber, por exemplo, quais aplicativos estão sendo usados, quanto do pacote de Internet está sendo consumido ou mesmo se todos os aparelhos possuem os arquivos/dados necessários para a rotina de trabalho na empresa? Quando falamos em dispositivos pessoais utilizados no ambiente corporativo, esse controle pode ser mais difícil – afinal, os equipamentos não são da empresa.

Nessa situação, saber o que é MDM e de que forma ele pode atuar no seu negócio é uma solução ideal. De forma geral, trata-se de um serviço que possibilita que as empresas façam a gestão de celulares e tablets de forma massiva, remota e online. Isso acontece através de um gerenciador de dispositivos móveis instalado nos aparelhos, que é administrado em uma plataforma online (na nuvem) acessível por um simples navegador.

Dessa forma, é possível aplicar uma série de configurações e funcionalidades que visam aumentar a produtividade no uso dos aparelhos e evitar possíveis reflexos negativos do BYOD. Com uma solução MDM, sua empresa é capaz, por exemplo, de restringir a instalação e o uso de apps, visualizar relatórios de consumo de Internet, bateria e espaço de armazenamento e também definir um horário em que essas configurações ficarão disponíveis – por exemplo, somente durante o expediente.


banner guia de gerenciamento dos dispositivos móveis

Agora você já sabe o que é BYOD e porque essa nova forma de utilizar dispositivos móveis nas empresas está cada vez mais presente no mercado – e trazendo consigo uma série de benefícios. Para decidir se vale a pena adotar essa política na sua corporação, lembre-se de avaliar o seu atual cenário da mobilidade corporativa, planejar de que forma será a estrutura de uso desses aparelhos pessoais na empresa e, então, contar com uma forma eficiente e segura de gerir os celulares e tablets.