A velocidade das mudanças no mundo dos negócios exige que as empresas acelerem os processos operacionais e tenham uma presença cada vez maior no mercado.

Novas tecnologias, processos e comportamentos emergem a cada dia e reinventam a maneira como as empresas se relacionam com clientes e equipes.

Neste cenário, temas como home office, mobilidade, smartphones e tablets, redes móveis e apps formam um conjunto de recursos essenciais para qualquer empresa que se proponha a alavancar seus negócios na velocidade e competitividade que o novo mercado exige.

Muitas empresas já iniciaram este processo com o uso intensivo de smartphones e tablets em projetos de mobilidade para as equipes de campo visando aumento de performance e maior presença.

Mas ao mesmo tempo em que os dispositivos móveis corporativos podem, com bastante facilidade, substituir a geração dos computadores de mesa, estes mesmos dispositivos podem ser utilizados como plataformas para jogos, redes sociais e toda uma gama de estímulos para os usuários que os distanciam das políticas e interesses das empresas.

O uso inadequado de smartphones e tablets corporativos insere no ambiente de negócios uma série de vulnerabilidades em diversas dimensões que precisam de atenção, como por exemplo:

  • Segurança da informação: Os dados da empresa, clientes, processos ficam expostos em caso de acesso indevido, perda ou roubo
  • Produtividade: O uso não corporativo dos dispositivos rouba o foco de atenção dos profissionais, levando a perda de tempo e negócios
  • Custos: O uso indevido eleva o uso do pacote de dados exigindo planos cada vez maiores e, portanto, maior custo para a empresa.
  • Jurídicos: O uso indevido de Apps em qualquer lugar e em qualquer horário pode representar riscos trabalhistas para a empresa
  • Técnicos: A velocidade de lançamentos da indústria de dispositivos e a rápida obsolescência dos mesmos, aliadas ao crescimento acelerado de Apps no mundo dos negócios e de novas versões e revisões colocam as áreas de TI ou Telecom em uma situação de alto risco, criando dificuldades para manter o parque atualizado e corretamente configurado e um inventário confiável.
 

São diversos pontos de vista de um mesmo problema: a falta de controle de smartphones e tablets corporativos provocada pelo crescimento desenfreado da tecnologia.

Principalmente projetos de equipes de campo onde concentram-se o maior número de dispositivos, e por consequência, da ocorrência dos problemas é que são necessárias ferramentas de controle e suporte à operação.

A boa notícia é que hoje já existem ferramentas que ajudam os gestores a evoluir seus projetos de mobilidade com toda a segurança.

Essas ferramentas incluem recursos poderosos como: gestão de inventário, monitoramento por dispositivo (smartphone ou tablet) ou por grupos. Controle de indicadores da operação como bateria, nível de sinal e memória, distribuição controlada de aplicativos, configurações e documentos corporativos, relatórios, acesso apenas para aplicativos autorizados, geolocalização, entre outros.

Isso dá tranquilidade para desenvolver um projeto de mobilidade com segurança, eficiência e rapidez, proporcionando aumento de performance das equipes, redução de custos com dados e controle total da operação.

O Pulsus é uma das soluções de referência para este tipo de controle. Se você quiser conhecer mais, entre em contato conosco!

cta blog 2 - Por que as empresas gerenciam seus smartphones e tablets?

Leave a comment

Sign in to post your comment or sign-up if you don't have any account.

Privacy Policy Settings